O ex-ministro Ciro Gomes, que foi candidato do PDT à Presidência da República, disse nesta terça-feira (4) que o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz Sergio Moro, é uma “figura publicitária” no governo Bolsonaro, que não tem falado como vai fazer para diminuir a quantidade de homicídios registrados no país – cerca de 63 mil em 2017.

Em live feita na sua página do Facebook, em que respondeu a perguntas de seus seguidores, Ciro também disse que Bolsonaro tem feito um papel de “relações públicas”, de “animador de auditório”, quanto o real poder está nas mãos dos surperministérios criados por ele.

Terceiro colocado na disputa presidencial, Ciro, que passou por uma cirurgia na próstata há duas semanas. falou das suas impressões sobre os anúncios que têm sido feitos por Bolsonaro na composição do seu governo.

“Bolsonaro parece que está reservando para si um papel de relações públicas, de agitador, de animador auditório, na Presidência da República. O poder real ele está está delegando ao que ele chama de superministérios”, avaliou.

Ciro mencionou Paulo Guedes, que será ministro da Economia – superministério que resultará da fusão da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio –, afirmando que ele tem uma concepção completamente errada e crenças completamente ilusórias a respeito da privatização de estatais.

Na mesma esteira, mencionou Moro, ex-juiz federal que será o titular do superministério que aglutinará os ministérios da Justiça e da Segurança Pública, a quem classificou “figura publicitária”.

“Moro é figura publicitária. Só para se ter uma ideia, ele é o encarregado de duas grandes tarefas: primeiro, o enfretamento da corrupção […]. Os primeiros sinais não são bons, são sinais de que ele relativiza os valores, imaginando talvez manipular as estruturas de PF para perseguir adversários. Segundo, a questão da segurança pública. Ele não dá uma palavra sobre isso e essa é a grande demanda da sociedade brasileira”, disse.

“Os 63 mil homicídios? O combate ao crime organizado? Ninguém ouve uma palavra sobre isso”, criticou.

Ainda sobre a escolha dos ministérios, o pedetista comparou a estratégia de Bolsonaro à da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que segundo ele também escolheu seus ministros sem levar em consideração as organizações partidárias.

“Ele está tentando o que a Dilma andou fazendo, que é recrutar individualmente fulano, sicrano, beltrano, desconsiderando as organizações partidárias. Isso é muito improvável que dê certo. […] Os políticos não gostam disso, eles querem ser valorizados pelos coletivos que eles representam […]. Não pode negociar nas bases que o PT e FHC negociaram, porque deu nisso que deu, é preciso trocar essa interlocução por um grande desenho novo num pacto de governadores, que não estão sendo sequer procurados para conversar”, disse.

Ciro também fez críticas ao futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), afirmando que, além de ele não ser um deputado com bom trânsito no Congresso Nacional, o DEM está “muito aborrecido” com a forma como o governo Bolsonaro está montando sua equipe.

“O DEM está muito aborrecido com a forma com que eles estão tratando, de cooptar aqui e ali, sem discussão coletiva. Isso tudo vai se escondendo, mas passou ali seis meses, em que os problemas começam, a popularidade fácil e a lua de mel vão acabando, vai virar confronto”, disse.

3º colocado em 2018, Ciro mira em 2022

Ciro fez ataques ao PT, deu sua opinião sobre questões polêmicas, como lei antiterrorismo, Escola Sem Partido, extinção de ministérios, política internacional, dando o tom de que fará parte dos debates que permeiam a sociedade com vistas às eleições de 2022.

“Eu respeito o povo brasileiro”, disse. “Amanhã quero merecer a confiança das pessoas”, afirmou revelando que pretende lançar um livro com as suas ideias para o desenvolvimento do Brasil.

“Estou juntando uma equipe boa para acompanhar o governo a partir dos seus 100 primeiros dias, detalhe por detalhe”, disse.

Terminou a conversa com os seguidores dizendo que “2022 tem importância”, se colocando desde já, quatro anos para o pleito, como alternativa. Segundo ele, o PDT já fez o convite para que ele seja o candidato do partido à Presidência da República nas próximas eleições.

“Na medida em que você faz uma oscilação de uma esquerda corrompida para uma direita fascista, incapaz de entregar aquilo que prometeu: de acabar com a violência, com a corrupção. Isso tudo é mentira! Vocês vão ver isso daí, a população pode ter a vontade agora de achar uma coisa equilibrada. […] Eu vou estar inteiramente devotado a essa tarefa”, disse.



Fonte: Uol

Créditos: Uol

Comentários

comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here